Relato – XIX Maratona de São Paulo

Tempo de leitura: 4 minutos

Neste domingo foi realizada a XIX Maratona de São Paulo. Além do percurso da Maratona, havia opções menores de escolha, entre elas a de 3k, 10k e 25k.

O kit contendo Camiseta, Número de Peito, Chip descartável, e materiais de patrocinadores como café, doces, entre outros, foi entregue na quinta, sexta e sábado que antecederam a corrida. Retirei meu kit na quinta por volta das 19hrs no ginásio no Ibirapuera. A retirada foi bem rápida, sem complicações de fila ou espera.

Com o kit na mão, restara somente controlar a enorme ansiedade, não treinar nos três dias que antecederam a prova e nada mais.

Sábado fiz uma boa carga de carboidratos que seria importante para a prova. Passei grande parte do dia de pé, isso atrapalhou um pouco meu desempenho na corrida, que o cansaço pegou pesado.

Chegou domingo. Depois de três meses de muito treino e desgaste, finalmente chegara o dia de minha estréia nos 42k. O sábado, dia anterior da prova foi de tempo nublado, sem abertura de sol e frio; segundo a meteorologia, este seria o tempo que faria também no domingo, até me animei que não sofreria tanto com o calor. A alegria durou até sair para fora de casa no domingo: tempo totalmente aberto, muito sol, o que significara muito desgaste.

Foi também a prova de estreia do Garmin 310xt, depois de ter vendido o MotoACTV.

Maratona Internacional de São Paulo
Maratona Internacional de São Paulo

Sai de casa para a região do Ibirapuera, local da largada, por volta das 6h30 da manhã, chegando na região do parque as 7h. Tempo suficiente para ajeitar os detalhes finais e partir em busca do objetivo do ano.

Me posicionei com a “galera do fundão”, ultimo setor, justamente para acompanhar o ritimo deles e não se deixar levar pela velocidade da galera mais experiente.

A largada foi dada as 8h, sendo que a minha as 8h14 – horario que consegui passar pelo portico de largada.

Procurando ficar sempre atrás dos “blocos” que buscavam os 42k, mantive um pace na casa dos 7min/km durante a maior parte da prova.

O primeiro sache de carboidrato consumi no km 9, pouco antes da ponte estaiada na marginal pinheiros, sempre pegando e ingerindo água em todos pontos de hidratação.

Maratona Internacional de São Paulo
Maratona Internacional de São Paulo

Por volta do km 12 senti um leve incômodo no joelho, na hora deu um medo de tudo ir por água abaixo mas passou e não tive problemas.

No km 16 estava o ponto de Gatorade da prova. Desta vez em saquinho, mil vezes melhor para consumir. E o único ponto com bebida em temperatura agradável, não gelada, poderia ser mais, mas perto das águas que estavam dando… aproveitei e consumi dois.

No km 18 avistei o Beto me aguardando embaixo da placa de marcação do km 22, local que ele iria me encontrar e partir para fazer uma “meia maratona”, me dando um suporte na parte final da Maratona. Neste quilometro também avistei outro amigo, o Wesley, na busca dos 42k.

Maratona Internacional de São Paulo
Maratona Internacional de São Paulo

Encontrando o Beto no km 22, entramos na “torturante” cidade universitária, onde no km 23 consumiria mais um sache de gel de carboidrato.

Passando pela divisão dos concluintes dos 25k e maratonistas, por volta do km 27 a coisa ficou feia. O combustível do corpo acabou, mente estava praticamente em pane. Uma grande dor no estômago, um certo enjôo; tudo que colocava no estômago não estava sendo bem aceito, ainda mais a água quente.

Na USP foi a região onde encontrei o Roberto Itimura, um guerreiro também na sua estreia nos 42k, e reencontrei o Wesley, desta vez na avenida da raia.

Entre os kms 26 e 36, pouco depois da saída da cidade universitária, fomos na base do trote e caminhada. Não estávamos diferentes de ninguém ao nosso redor, todos dando aquele apoio uns aos outros para não desanimar mas o cansaço era demais para todos, tanto que o que se via era somente gente caminhando e expressões de dor.

Maratona Internacional de São Paulo
Maratona Internacional de São Paulo

O primeiro ponto de distribuição de comida, estava no Km 31 ou 32, os staffs distribuindo batata cozida em saquinho. Comi mas não senti diferença nenhuma.

No km 36, estava um ponto de distribuição de gel e fruta. Nunca havia comido laranja durante uma prova, resolvi experimentar e comi praticamente uma inteira. Talvez era o estomago vazio, falta de algo no sangue, sei la, sei que a laranja me deu um “gas” até o final da prova que de “quebrado”, passei a fazer meu melhor ritimo de toda a prova, e sem andar até o final.

Prova concluida em exatas 5h. Muita dor mas uma satisfação tão grande quanto. Saber e se mostrar que é capaz de uma superação deste nivel é demais.

Fica aqui um agradecimento especial para o Beto! Poucos tem uma atitude dessas para estar junto quando precisamos de um suporte. Amigo é amigo 🙂

Ano que vem tem mais, melhor treinado e quem sabe com acompanhamento nutricional, quem sabe assim não quebro. E levar laranja para o km 20 =)

E o Garmin, 100% adaptado e fácil operar.

Resultado:

Maratona Internacional de São Paulo
Maratona Internacional de São Paulo
confirmation_number Número de Peito 9256
supervisor_account Modalidade 42k
access_time Tempo Final 05:04:18
access_time Tempo Relógio 05:00:25
hourglass_full Tempo Bruto 05:19:34
trending_up Classificação Total 2202
trending_up Classificação Faixa Etária 158
timelapse Pace Médio 07:07 min/km
timelapse Velocidade Média 08,39 km/h
folder_shared Categoria M2029
help_outline Outras Informações Garmin

Sobre

Guarulhense, desenvolvedor de softwares e soluções web, apaixonado por corridas, fotografia, viagens e muito rock.

//www.diegoronan.com.br