Relato – XIII Meia Maratona Internacional Corpore de São Paulo

Tempo de leitura: 4 minutos

Neste domingo ocorreu a XIII Meia Maratona Netshoes Corpore Internacional de São Paulo, no ja tradicional percurso que engloba a Cidade Universitária e o bairro do Butantã na Capital, com percursos para dois tipos de gostos: um para quem ta iniciando ou não se sente muito a vontade com a distância da meia maratona, com os 5k, ou os 21k para quem gosta dos grandes desafios.

Optei pelos 21K, minha segunda meia maratona! O objetivo inicial foi tentar manter um ritmo relativamente forte para mim, para conseguir fechar, se possível, próximo a 2h10. Não foi possível, mas comento a seguir.

Comentando sobre o kit e retirada: Veio composto por camiseta com número de peito impresso, revistas de merchandising, chip de cronometragem. Eles foram entregues na sexta, sábado e no domingo, momentos antes da prova. Deixei para retira-lo no sábado para evitar “perda de tempo” em última hora.

Sábado também fiz a reposição do gel de malto, o restante to dia ficou para descansar, mesmo porque não tinha nada para fazer!!

Fiz um teste com alimentação, a base de “junk food” (lê-se pizza), como fonte de carboidrato na noite anterior e no café, para ver como seria a diferença de desgaste; uma base para poder fazer uma comparação com a meia da Yescom, onde fiz aquela alimentação certinha, no dia anterior a prova e no dia da mesma. Faz sim diferença!

No domingo, devido ao fechamento das vias próximas a USP, tive que madrugar, acordar 4:50 da manhã, tomar um café (pizza) bem rápido, me trocar e voar para la, para chegar antes das 6 da manhã para poder estacionar dentro da Cidade Universitária.

Meias SP Corpore 2012
Meias SP Corpore 2012

Consegui, por volta das 6h40min da manhã já estava com o carro estacionado, tempo para ir até a arena do evento, deixar as coisas no guarda-volume, alongar, encontrar um amigo e dar a última passada no banheiro antes de iniciar a corrida.

O dia começou com tempo nublado, mas logo o sol deu as caras. Atrapalhou um pouco, ainda mais na parte final onde juntou a sede, o desgaste da prova com o sol. Ainda bem que esta “tortura” durou poucos 3 Kms. 21 é assim, tem que ir na base da raça!

A largada “em ondas” teve um atraso de 10 minutos (devido ao pessoal retirando os kits? talvez), mas nada muito comprometedor. O intervalo entre ondas foi de aproximadamente um minuto e meio e por volta das 7h45min foi iniciada a corrida para a onda que estava, para passe de 6min/km +.

Meu relógio resolveu me “trollar” de última hora, o pulso exibido em tela, vinham em números entre 25 e 30. Devido a falta de bateria, tive que enviar para a assistência para efetuarem a troca, ok! Mas o relógio chegou em casa segunda e deixei “encostado” até o dia da corrida, sem checar a funcionalidade do frequencímetro (só utilizei literalmente como relógio nesse período). Em resumo, perdi totalmente a base e noção de ritmo que teria que manter na corrida, principalmente no início, que me peguei abaixo 6min/km em pelo menos quatro oportunidades, que fariam diferença lá na frente, coisa que não aconteceria se estivesse acompanhando minha frequência e dando uma quebra de rítimo.

Vamos ver se o master reset deu um jeito disso (aparentemente deu mas…) ou se terei que voltar com o relógio para lá. No decorrer desta semana faço testes.

Comentando um pouco do percurso: A corrida em geral havia apenas três pontos de subida: O túnel pouco antes do Jockey, o acesso para a ponte da Cidade Universitaria, e por fim la pelo km 17, na Av Escola Politecnica, mas bem leve. Este último ponto atrapalhou mais o fato de que são uns 3km de sol na cabeça, sem árvores, com uma subida no final, que a subida em si!

Os pontos que daria para buscar tempo em uma próxima edição são mais a Av Pedroso de Morais, neste ponto ja estamos no km 7 de prova, e na volta a partir do momento que deixamos a ponte Cidade Universitária (depois de sufocar no aroma do rio Pinheiros), por volta do km 12.

A quantidade de pontos de hidratação foram o suficiente, um a cada 2,5km em média, com um da gatorade no Km 10, e novamente gatorade em copinho, muita gente teve que parar para poder pegar o copo, e beber o conteudo andando, ja que não dá para correr com o conteúdo daquilo na mão.

Apesar de correr sem base de frequência cardíaca, com uma bolha que me torturou pelo menos 15km e com uma lua na cabeça, consegui um tempo razoável, acima do que queria, mas pelas circunstâncias esta de bom tamanho.

Na próxima meia maratona quem sabe. Treino agora o mínimo que tenho que fazer nos longos é 21K, senão os 25K da Maratona de SP serão bem torturosos, o frio pode ajudar, mas se for como no ano passado, o sol virá bem forte.

É isso, terminada a prova na base da raça, vontade e determinação. 21 não é para qualquer um 🙂

Próximo desafio: baixar o tempo dos 8k da Indy, vamos ver se consigo!

Resultado:

Meias SP Corpore 2012
Meias SP Corpore 2012
confirmation_number Número de Peito 5466
supervisor_account Modalidade 21K
access_time Tempo Final 02:18:20
hourglass_full Tempo Bruto 02:28:34
trending_up Classificação Total 1902
trending_up Classificação Faixa Etária 85
trending_up Classificação por Sexo 1591
timelapse Pace Médio 06:33 min/km
timelapse Velocidade Média 09,13 km/h
folder_shared Categoria M2529

Sobre

Guarulhense, desenvolvedor de softwares e soluções web, apaixonado por corridas, fotografia, viagens e muito rock.

//www.diegoronan.com.br