Relato – Treinão – Fila Night Run

Tempo de leitura: 3 minutos

Apesar de não ter me inscrito na prova da Fila e estar com pendência um longo, acabei indo de pipoca com objetivo de fazer 15K em ritmo moderado como pretendia fazer no tal longão. Antes iria fazê-lo ao fim da tarde no Ibirapuera, mas a Amanda chamou para ir junto para a prova que ela iria participar e aproveitei para usar um ambiente diferente para o treino.

Chegamos no estacionamento por volta das 18h30min, somando mais meia hora de caminhada até o local da estrutura do evento e largada (cerca de 3km). As 19 horas, já no local, pronto para correr. Tinha me preparado para correr com o celular, curtindo uma música, e planejado ir em um ritmo  moderado (6 min/km +), mas o tempo prometia uma chuva, acabei abandonando a ideia. Outra coisa que planejava era sair com o pessoal dos 10K, mas assim que foi dada a largada dos 5K, e para não deixar a Amanda esperando quase 40 minutos eu terminar um treino, decidi ir mesmo com o pessoal dos 5K para fazer os 15K.

Faço um alongamento bem rápido, já que a prova tinha iniciado, e saio com a multidão dos 5, cruzando a linha de largada com mais de cinco minutos de prova. Até ai tudo bem, tempo seco, mantendo o ritmo planejado, saindo do Sambódromo e tomando a Av Olavo Fontoura em direção ao estacionamento do Anhembi. Assim que entro no estacionamento – trecho responsável por quase 1km de prova – começam os primeiros pingos, e, assim que saio dele, vem a tempestade. Era tanta água que foi difícil até de respirar, só vinha água na cara, não vinha ar. A parte mais forte da tempestade durou cerca de 15 minutos, o suficiente para alagar alguns trechos da Av. Olavo Fontoura. Na ida em direção da chegada por ela, dava para ver a volta com trechos submersos até a altura da calçada. Ja que estava molhado e já estava no local, deixei para lavar a alma e continuar o treino, mesmo tendo que enfrentar um “rio” no meio do caminho. Sabia que a região alagava com chuva forte mas não sabia o quanto, deu certo receio quando vi a água tomando a rua mas mesmo assim continuei a correr.

Queria saber do comportamento do Motoactv com tanta água caindo, parecia mesmo estar debaixo de um chuveiro, mas não tive nenhum problema com ele, funcionou 100%! Outra coisa que testei foi o tênis da Mizuno (Enigma), comprado recentemente e também passou pela prova de fogo (ou de água?!). Estável, seguro, não escorregou, e terminei sem nenhuma bolha mesmo correndo com chuva cerca de 1h20min.

Peguei os dois trechos alagados cerca de 4x entre idas e vindas. Quanto a estrutura da prova, o que vi foi dois pontos de hidratação, sendo juntos, mas em lados opostos da rua, nos Kms 2 e 3,5. Só usei deles na última volta, já havia bebido água de chuva o suficiente antes disso hahaha.

A única coisa chata foi voltar até o carro (os 3km), todo molhado e com frio. Encontrei também o Marcus e sua esposa, a Samara, na arena do evento. Primeira vez em tantas corridas que participamos que nos vemos! A Amanda fechou seus 10k em torno de 53mins, tempo suficiente para coincidir com meu fim de treino e não ter que os dois ficar perdidos se procurando, e tempo horrível segundo ela… rs

Foi uma experiência interessante de fazer, treinar em um ambiente diferente, sem compromisso com tempo, com puxar forte, mantendo um ritmo legal e sem aquela monotonia de estar sozinho em um parque da cidade como toda sexta. Pipocarei mais vezes 🙂

Sobre

Guarulhense, desenvolvedor de softwares e soluções web, apaixonado por corridas, fotografia, viagens e muito rock.

//www.diegoronan.com.br