Relato – Maratona Internacional de São Paulo 2012

Tempo de leitura: 5 minutos

Nesta manha fria de domingo, dia 17, ocorreu a Maratona Internacional de São Paulo, com opções de percursos, além dos 42k da maratona, de corridas de 25K ou 10K, ou então uma caminhada de 3K. Diferentemente do ano passado, que optei pelos 10K, quis experimentar a distancia dos 25K.

Pela distancia e pelo “relaxo” nos treinos longos, já sabia que seria uma corrida bem pesada. O kit deixei para retirar na sexta feira, depois do expediente. Ja que não iria treinar mesmo, descanso é preciso, resolvi ir para lá e evitar uma possível muvuca do pessoal sem tempo para retirar de semana – retirando tudo de última hora – como de costume.

Cheguei para a retirada na sexta, por volta das 19 horas. Cheguei e fui direto para o balcão, sem filas ou maiores dificuldades. O kit, como de praxe, veio contendo os materiais de merchandising, número de peito, chip descartável, camiseta e a medalha (pós prova). A feirinha da maratona não diferiu em nada das edições anteriores, ou na meia maratona. Só uma passada rápida.

Diferentemente do que fiz na última meia maratona em que quebrei bem antes dos 21k, foquei em uma dieta de carboidratos para não ter problemas de “falta de combustível” durante a corrida. Pensei e usei uma estratégia diferente em relação aos saches de malto, em vez de a cada meia hora, optei para levar para usar um a cada uma hora de rodagem.

No domingo, acordei por volta das 5h30min, tomei um café a base de carboidratos e suco. Me arrumei e sai as 6h, rumo ao Ibirapuera, sendo mais preciso, na ALESP, de onde partem os ônibus para a largada. Percurso feito em torno de 30 minutos até estacionar o carro, mais uma viagem de 20 minutos de ônibus para a Roberto Marinho, ponto da largada.

Chegando na Roberto Marinho, primeira coisa a fazer foi localizar os ônibus “guarda volumes” que se dirigiriam para as chegadas, tanto dos 10K ou 42K, no Ibirapuera, quanto para a USP, a chegada dos 25K respectivamente. Na USP que inclusive teve o transporte também gratuito que levaria à chegada da maratona.

Assim que guardei os pertences no guarda volumes, dou aquela última passada no banheiro, faço um alongamento e então é só esperar a vontade da Globo largada, ou seja, esperar ainda cerca de 1h. Pelo menos a liberação das entradas para a área de largada foi rápida.

Finalmente chega o horário e é dado início a mais uma estréia minha em uma longa distância, agora um pouco maior, maior que meia maratona. Estava confiante, mas como disse lá em cima, não havia treinado para a distancia. Consideramos que meu último “”treino”” longo para uma distancia de 25 foi a própria meia maratona, em abril. Alias, também não havia treinado direito para ela. Ah, claro, corrida não é treino, ou não deveria ser!

A corrida começa subindo a “Ponte Estaiada”, pegando a Marginal Pinheiros rumo a Ponte do Morumbi, cruzando o rio Pinheiros, ponto agradável para admirar o cheiro podre mais agradável ainda do rio, rumando sentido a Juscelino Kubitschek. Até ai igual ao ano passado, o que diferiu é que agora não iria seguir pela Juscelino, mas fazer o retorno pouco antes da Av. Brigadeiro Faria Lima e voltar rumo a Marginal Pinheiros, até a ponte Eng Roberto Rossi Zuccolo. Alias, este é o ponto onde fica mais fácil se mexer que até então estava difícil pela quantidade de gente que corria. Ainda bem que a maioria seguiu para os 10K 😛 . Este também foi o ponto que o Sol saiu de trás das nuvens e resolveu dar as caras. Sol que não atrapalhou na minha opinião.

O percurso continuou pela R. José Augusto de Queiros, rua paralela ao Jockey Clube de São Paulo, até chegar de encontro com a Av Lineu de Paulo Machado. Seguindo pela Av Valdemir Ferreira, Praça Vicente Rodrigues e Av Alfranio Peixoto – ponto que passamos pela disputa do primeiro lugar da elite feminina. Só se via as Quenianas dominando a prova por volta do Km 36, enquanto nós estávamos no km 10, ou pouco antes [okay].

Continuando o trajeto, rumamos pela Rua Alvarenga, Ponte Cidade universitária, Av Prof. Manuel Jose Campos, Praça Panamericana, Av Pedroso de Morais, sentido Faria Lima, um pequeno trecho da própria Faria Lima até retornar para a Pedroso, agora sentido parque Villa Lobos.

Pouco antes do Villa Lobos, por volta do km 15, antes também de chegar no “Gatorade” não deu, quebrei. Faltou treino, faltou planejamento, faltou agenda, enfim, algo que ja esperava que aconteceria. Parecia que carregava 15kg a mais em cada perna. Caminhei por cerca de 10 minutos para dar uma amenizada na situação, e até o km 19 fui alternando entre caminhada e trote. Do Km 19 para frente consegui seguir.

Passando pela Praça Panamericana, agora na volta, encontro meu Tio que estava lá para fazer os 42K. Seguimos juntos até a USP, até o km 23, onde nos separamos de novo, sim, a perna pesou de novo e resolvi andar! Agora foi na Av. Professor Melo de Morais, a Av da Raia. Mas desta vez, por estar no fim, deixei para caminhar uns 500 metros e ter gás para seguir para a chegada na Av Escola Politécnica, e chegar correndo, claro.

Desafio concluído no tempo que planejava, cerca de 3h, e consegui um sub-3 ainda, 2h59min é sub 3h! 😉 Em melhores condições (sem caminhar) creio que conseguiria fazer na casa de 2h45min. Ano que vem?! 🙂

Falando da organização, pontos de hidratação a cada 3km, inclusive com banheiro, sem o que reclamar. Pontos de Gatorade no copo, o jeito é se adaptar quanto a isso, como foi na parte que estava caminhando consegui pegar até 2 copos e beber sem problemas. A medalha, bonita e bem melhor que a do ano passado! O transporte que levava para a largada saiu rápido, só achei demorado o da volta, aliás, queria voltar sentado e voltei em pé na porta. Outra ressalva quanto ao pós prova, não recebemos frutas, pão, ou qualquer outra coisa como de costume. Somente a medalha e o Gatorade. Voltar com fome no trânsito, apertado no ônibus, foi bem tenso, ja não basta correr 25km?! Estava a ponto de passar mal.

O ponto que achei engraçado foi o papo entre os corredores perguntando em que ponto quebrou, o tempo de conclusão explica 😛

Tirando os problemas o importante é cruzar a linha, e procurar fazer treinos longos decentes daqui pra frente, fazer uma rodagem nem se preocupando tanto com distância, mas com tempo… buscar algo em torno de 2h, 2h30, ainda mais com uma meia maratona para daqui um mês ;).

Resultado:

25k Maratona Yescom SP
25k Maratona Yescom SP
confirmation_number Número de Peito 16053
supervisor_account Modalidade 25K
access_time Tempo Final 02:59:30
hourglass_full Tempo Bruto 03:06:44
trending_up Classificação Total 1960
trending_up Classificação Faixa Etária 138
timelapse Pace Médio 07:11 min/km
timelapse Velocidade Média 08,36 km/h
folder_shared Categoria M2529

Sobre

Guarulhense, desenvolvedor de softwares e soluções web, apaixonado por corridas, fotografia, viagens e muito rock.

http://www.diegoronan.com.br