Percurso 42K Asics

Relato – Asics São Paulo City Marathon

Tempo de leitura: 4 minutos

Aconteceu neste domingo, a primeira edição da Asics São Paulo City Marathon, contando com pouco mais de 4 mil participantes fazendo a maratona e pouco menos de 11 mil corredores para a meia. A prova foi uma reformulação na corrida da Asics, em um formato similar ao Golden Four, neste caso com as corridas acontecendo em três cidades ao longo do ano (RJ / SP / Brasilia), sendo estas três meias maratonas, e uma maratona como adicional em São Paulo, além da meia.

Com um percurso diferenciado, saindo da região do Pacaembú, passando pelo centro da cidade, subida da Brigadeiro, cruzando a Paulista, passando pela região do Ibirapuera, Vila Lobos, USP e terminando no Jockey, o percurso trouxe aos corredores alguns dos principais pontos de interesse turístico da cidade, um diferencial que precisávamos para uma corrida com este porte.

Percurso 42K Asics
Percurso 42K Asics

A retirada do kit se deu na sexta e sábado que antecederam o evento, no complexo do Transamerica. Local que causou muito “mimimi” pela distancia e alto custo do estacionamento (45 reais) nas mídias sociais. Em parte com razão. Não faz muito sentido a prova começar na região central, terminar na zona oeste e o kit ficar disponível para retirada no sul da cidade.

Mimimi’s a parte, o evento, apesar de ter acontecido em um local menor do que os anos anteriores, não deixou nada a desejar. Uma bela estrutura, com a retirada de kit rápida e sem filas, palestras acontecendo durante todo o sábado – algumas na sexta, áreas para massagem, teste de pisada, feira da prova com diversas opções de compras de produtos Asics e demais patrocinadoras do evento.

O conteúdo do kit foi camiseta (poderia muito bem ser de fabricação da própria Asics), numero de peito com o chip acoplado, gym sack e um aerosol anti inflamatório.

Domingo foi dia de acordar cedo, tomar café praticamente depois da janta, e sair de casa as 5 da manhã. Cheguei na largada junto com a saída da primeira onda, as 6h. Minha onda só sairia as 6h20. Tempo suficiente para um alongamento rápido, deixar os pertences nos guarda volumes móveis. Vi muita gente reclamando de filas nestes guarda volumes. Particularmente, no meu ônibus não peguei ninguém na minha frente, mas notei grande movimentação nos outros ônibus.

O dia amanheceu nublado, temperatura por volta dos 14 graus, um pouco frio, mas agradável. O plano era sair e manter o pace na casa entre 5:30min/km e 5:40min/km durante todo o percurso, com objetivo de conclusão entre 3h52 e 3h59. Consegui o pace somente nos primeiros 8kms, muitas vezes ficava travado atras de blocos e perdia muito tempo, sem ter por onde cortar (muitas vezes cercado) e sem ter muito o que fazer.

A “temida” brigadeiro começou no km 10 da prova, nela consegui manter o pace programado, talvez isso tenha condenado o resto da minha corrida. Estava inteiro quando passei da subida, quando desci (dosando o rítimo) estava tranquilo, mas o cansaço começou a bater ja na Assembleia Legislativa pouco antes do Obelisco. Fui dosando o pace, passei pelos túneis que pareciam fornalhas sem ar, até chegar na metade da prova.

Asics SP City Marathon
Asics SP City Marathon

No km 21, vi que não atingiria meu objetivo de tempo, quando meu pace médio estava em torno de 5:46min/km – em 2h01min de prova, e não tinha mais pernas para baixar dos 5:40min/km para derrubar esta media. A capsula de sal que esqueci em casa fez falta, talvez um dorflex também.

Pouco depois deste ponto, logo após a saída do túnel, estavam o Marcelo e o Raphael dando apoio com batata com sal e refrigerante.

A partir do km 25, por volta da praça pan-americana a coisa desandou de vez, e foi o “Deus nos acuda” até o fim. Fui literalmente me arrastando, você até descobre novos músculos nesta hora porque tudo que for possível dói, da cintura para baixo.

O Vagner também ajudou pacas, dando apoio de bike a toda galera da assessoria pelo percurso.

Apesar de tudo, fechei a maratona mais difícil que fiz até agora em meu melhor tempo: 4h28min. Resultado desastroso para quem pretendia entrar na casa das 3h50, quem sabe ano que vem. De qualquer forma, foi um RP.

Falando da estrutura da prova: água gelada, apoio médico e banheiros a cada 3km, gatorade em saquinho a cada 6km, grupos tocando musicas ao vivo, djs, exibições culturais, espumas com água na USP para refrescar o calor, 3 postos de banana, posto oferecendo Pepsi e salgado, posto oferecendo jujuba, posto oferecendo pomadas caso estivesse com alguma assadura decorrente a prova, telão com mensagem de familiares, staff dando apoio e incentivando até o fim, sem aquela de “a elite ja passou, dane-se o resto” como vemos em muitas maratonas por aqui, enfim, a corrida foi sensacional.

Pós prova com kit contando dom toalha, medalha, lanche e isotônico e uma bela estrutura com massagem, crioterapia, food trucks, musica entre outros, fecharam este evento diferenciado.

Parabéns Asics e Iguana por trazerem tudo isso a nós.

Parabéns Amanda pelo seu sub-4, treinou pacas, na maioria das vezes morrendo de dor, você merece.

Quanto ao resultado, faz parte. Quem manda não sofrer nos longos, sofre na prova.

Bola pra frente que uma hora da certo.

Ano que vem tem mais 🙂

Resultado:

Asics SP City Marathon
Asics SP City Marathon
confirmation_number Número de Peito 3931
supervisor_account Modalidade 42k
access_time Tempo Final 04:26:50
access_time Tempo Relógio 04:26:29
hourglass_full Tempo Bruto 04:50:21
trending_up Classificação Total 2003
trending_up Classificação Faixa Etária 747
timelapse Pace Médio 06:13 min/km
timelapse Velocidade Média 09,70 km/h
folder_shared Categoria M30-39
help_outline Outras Informações Garmin

Sobre

Guarulhense, desenvolvedor de softwares e soluções web, apaixonado por corridas, fotografia, viagens e muito rock.

//www.diegoronan.com.br