Para correr no frio

Tempo de leitura: 4 minutos

Apesar de acostumados com clima tropical do Brasil, muitos atletas saem do País e enfrentam temperaturas baixas. Siga as dicas dos treinadores para se preparar adequadamente e encarar o frio sem medo.

O fato de os corredores brasileiros estarem acostumados com temperaturas elevadas durantes os treinamentos e corridas faz com que algumas dúvidas relacionadas à disputa de provas em temperaturas baixas surjam antes do evento.

Em alguns países da Europa e nos Estados Unidos, muitas vezes o corredor se depara com climas que não está acostumado, com temperatura por volta dos 5ºC, ou até abaixo disso. E, uma das primeiras questões que surgem é quanto à vestimenta. O que usar nas corridas de clima frio? O professor Luís Eduardo Tavares, diretor técnico da Equipe de Corredores Tavares, explica:

“O atleta que vai participar em uma corrida cujo clima seja frio deve usar moletom, roupas de lycra e principalmente luvas. Aconselho aos corredores usarem quatro ou cinco camisetas, uma por cima da outra, assim, de acordo com o aquecimento durante a prova, ele pode tirá-las e jogá-las fora”.

O técnico judiciário, Marcelo Jacoto, 29, corre há oito anos e já participou de várias provas internacionais, como a maratona e meia-maratona da Disney, e as maratona de Nova York, Paris, Londres e Buenos Aires, e comenta sobre suas preferências em corridas com temperaturas baixas.

“Já disputei provas em muitos países, e peguei frio em muitos deles. Durante os treinos nesses locais com temperaturas mais baixas, costumo me agasalhar bem. Já durante a corrida, não gosto de usar muitos acessórios, pois acho que eles me atrapalham um pouco, mas alguns amigos usam luvas e toucas. O que eu sempre faço é levar várias roupas reservas na mochila, para trocar quando acaba a prova”.

Hidratação e alimentação

O atleta deve dar grande atenção à hidratação quando for participar de corridas no frio, como explica o ex-técnico de atletismo e ex-treinador, Nilson Duarte Monteiro.

“A hidratação em climas frios é até mais importante do que no quente. O atleta queima muito mais calorias no frio do que no calor para aquecer adequadamente o corpo como um todo, por isso a hidratação é importantíssima”.

Luís Tavares também alerta sobre a importância de uma hidratação bem feita. “Em climas mais frios o atleta pode não sentir tanta sede quanto no calor, e é aí que mora o perigo. Pelo fato de estar frio, não significa que o corredor não esteja se desidratando, é importante que se hidrate normalmente durante a corrida, mesmo em baixa temperatura”.

Quanto à alimentação, o treinador Onécimo Ubiratam Medina Melo, diretor técnico da Bira Treinamento e Consultoria Esportiva comenta sobre como deve ser feita. “Não há necessidade de mudar a alimentação. Pode acontecer, se o lugar for muito frio, de nos dias anteriores surgir uma vontade de consumir comidas mais calóricas como: chocolate, queijos e derivados do leite”.

“Um cardápio mais calórico pode ser adicionado, porém aconselhável não alterar muito seu cardápio habitual para não dar problemas estomacais”, completa Eduardo Tavares.

Preparação

Muitos corredores no Brasil fazem seus treinamentos, ou até mesmo participam de provas que contam com temperaturas altas. Assim sendo, outra dúvida que pode surgir é, como adaptar meu corpo para uma corrida a temperaturas baixas?

O atleta pode começar por mudar seu horário de treinamento, deslocando-o para um horário cuja temperatura esteja mais amena, ou, se possível, se deslocar para outra cidade em que o tempo esteja mais frio. O treinador Douglas de Melo, diretor técnico da assessoria esportiva Top Notch explica a importância da adaptação do atleta.

“Se houver a possibilidade de realizar alguns treinos em ambientes que retratam a realidade da prova, mais adaptado e preparado o atleta estará, diminuindo a sensação subjetiva de frio e aumentando o metabolismo basal. Toda preparação mais próxima da realidade e especificidade das situações climáticas trará melhor desempenho”.

Com o treinamento em temperaturas mais parecidas com a do dia da prova, o atleta se adapta também psicologicamente, como fala Melo. “Para um atleta que irá enfrentar pela primeira vez uma corrida no frio pode ser um pouco desconfortável, pois a respiração, vento, ar ambiente, tudo é diferente, e isso pode fazer com que ele se sinta mais cansado durante a corrida. O melhor a fazer é se concentrar e focar o objetivo traçado durante os treinos”.

Na corrida

Nas provas realizadas em temperaturas por volta de 5ºC, o corredor pode mudar alguns aspectos na sua estratégia, como explica Monteiro. “Mesmo tendo feito o aquecimento de forma adequada, é mais vantajoso para o atleta que vai correr no frio começar a prova em um ritmo um pouco abaixo do ideal de prova que ele está acostumado, e ir crescendo progressivamente”, diz o treinador, que completa.

“Quando saímos para treinar, aquecemos antes. Mas, mesmo assim, o ritmo ideal do corredor só vai se estabelecer lá pelos quilômetros 3 ou 4. Isso porque ele atingiu o aquecimento ideal. Ninguém sai em disparada em treinamento. Conforme aquece, o ritmo do atleta aumenta”.

“Quando vou disputar uma corrida com temperaturas baixas, o momento que sinto mais dificuldade é na largada, pois fica difícil se aquecer. Depois, quando a prova começa e o aquecimento já está ideal, não sinto tanta diferença”, conta Jacoto.

O2

Sobre

Guarulhense, desenvolvedor de softwares e soluções web, apaixonado por corridas, fotografia, viagens e muito rock.

//www.diegoronan.com.br