Comentando um pouquinho a respeito da Fila Night Run 2011 – 1ª etapa do ano em São Paulo que ocorreu neste fim de semana, no sábado.

Night Run

Começando pela retirada do Kit, foi bem organizada, no Bourbon Shopping (bem do lado da Palestra Itália), com bastante gente da organização para atender o número  de corredores que se inscreveram para o evento. Pelo menos no horário que cheguei (sexta feira por volta das 19:30), estava bem tranqüilo. Cerca de 5 minutos para retirar o chip com o número (em uma ilha no meio do shopping) e pouco menos que isso para retirar a camisa da prova, no Centauro.

Kit retirado chega o sábado onde passei o dia tratando as fotos da Formula Indy que ocorreu no fim de semana anterior, para já ficar “inteiro” e tentar alcançar meu objetivo: baixar pelo menos 3 minutos a 10K e terminar em menos de 60 minutos.

Night Run

Chega às 17 horas, feita a ultima refeição pré-prova, me troco e por volta das 18:30 vou para a região do campo de marte. Apesar de perto, entre sair de casa e conseguir estacionar no “Unipare”, o que levaria em dias “comuns” cerca de 20 minutos demorou quase 1 hora.

Enfim, carro estacionado, com o objetivo de tirar fotos da largada dos 5K já perdido (começaria às 19:30 e às 19:30 estava estacionando – não esperava tanto transito), vou para o local da corrida, onde esta montada a estrutura do evento, a cerca de 1km do local do estacionamento, na praça Heróis da Força Expedicionária Brasileira – FEB.

Night Run

Comecei a fazer o aquecimento por volta das 19:50, até cerca de 15 minutos antes largada (que aconteceria as 20h30). Enquanto isso, rolava um show no palco Night Run, muita animação, pessoas fazendo malabarismo e pirografia, uma “baladinha” mais próxima a largada, enfim,  coisas que fazem da Night Run da Fila um evento especial e divertido.

Enfim chega o horário da largada, me posiciono no pelotão azul, para tempo abaixo de 55 minutos, pensando em tentar manter o ritmo da galera e conseguir um tempo relativamente bom. Feita a contagem regressiva, e é dada a largada com direito a muita musica eletrônica e um show de luzes em frente ao campo de marte.

Night Run

O percurso da corrida, 100% plano, e a noite, fria, mas agradável, temperatura em torno de 17 graus, foram propicias para que a corrida fosse mesmo para baixar tempo, quebrar marcas pessoais. No meio do trajeto (na Av. Olavo Fontora) entre os Kms 1 e 2, e voltando entre o 3 e 4, havia uma tenda com DJs e 2 ou 3 malabaristas fazendo sua performace ao som de musica eletrônica.

O percurso contou com pontos de hidratação nos Kms 2 (na volta, 7) e 4 (na volta, 9), alem de no pós prova logo após a chegada, bem o suficiente para a prova.

Night Run

Completei o trajeto em torno de 57 minutos, atingi meu objetivo de terminar abaixo dos 60 minutos e cheguei bem inteiro, faltou perna para conseguir ir mais longe, mas nada que bastante treino não resolva.

No site do evento tinham anunciado uma atração surpresa: Era a banda Ultraje a Rigor que iria se apresentar no palco.

O evento foi nota 10! Belo kit, organização e corrida. Pretendo ir para campinas fazer a segunda etapa no fim deste ano.

Resultado:

Night Run

  • Número de Peito: 6923
  • Tempo Final: 00:57:45
  • Categoria: M2529
  • Modalidade: 10K
  • Tempo Bruto: 01:00:49.94
  • Classificação Total: 2105
  • Classificação por Categoria: 352
  • Classificação por Sexo: 1835
  • Pace Médio: 05:46 min/km
  • Velocidade Média Total: 10,39 km/h

Agora a próxima corrida é a Maratona de SP (farei a 10K). Objetivo continua sendo o mesmo, não mais que 1 hora, e quem sabe baixar estes 57 minutos!

As fotos do evento hospedei no Picasa.

Apesar de acostumados com clima tropical do Brasil, muitos atletas saem do País e enfrentam temperaturas baixas. Siga as dicas dos treinadores para se preparar adequadamente e encarar o frio sem medo.

O fato de os corredores brasileiros estarem acostumados com temperaturas elevadas durantes os treinamentos e corridas faz com que algumas dúvidas relacionadas à disputa de provas em temperaturas baixas surjam antes do evento.

Em alguns países da Europa e nos Estados Unidos, muitas vezes o corredor se depara com climas que não está acostumado, com temperatura por volta dos 5ºC, ou até abaixo disso. E, uma das primeiras questões que surgem é quanto à vestimenta. O que usar nas corridas de clima frio? O professor Luís Eduardo Tavares, diretor técnico da Equipe de Corredores Tavares, explica:

“O atleta que vai participar em uma corrida cujo clima seja frio deve usar moletom, roupas de lycra e principalmente luvas. Aconselho aos corredores usarem quatro ou cinco camisetas, uma por cima da outra, assim, de acordo com o aquecimento durante a prova, ele pode tirá-las e jogá-las fora”.

O técnico judiciário, Marcelo Jacoto, 29, corre há oito anos e já participou de várias provas internacionais, como a maratona e meia-maratona da Disney, e as maratona de Nova York, Paris, Londres e Buenos Aires, e comenta sobre suas preferências em corridas com temperaturas baixas.

“Já disputei provas em muitos países, e peguei frio em muitos deles. Durante os treinos nesses locais com temperaturas mais baixas, costumo me agasalhar bem. Já durante a corrida, não gosto de usar muitos acessórios, pois acho que eles me atrapalham um pouco, mas alguns amigos usam luvas e toucas. O que eu sempre faço é levar várias roupas reservas na mochila, para trocar quando acaba a prova”.

Hidratação e alimentação

O atleta deve dar grande atenção à hidratação quando for participar de corridas no frio, como explica o ex-técnico de atletismo e ex-treinador, Nilson Duarte Monteiro.

“A hidratação em climas frios é até mais importante do que no quente. O atleta queima muito mais calorias no frio do que no calor para aquecer adequadamente o corpo como um todo, por isso a hidratação é importantíssima”.

Luís Tavares também alerta sobre a importância de uma hidratação bem feita. “Em climas mais frios o atleta pode não sentir tanta sede quanto no calor, e é aí que mora o perigo. Pelo fato de estar frio, não significa que o corredor não esteja se desidratando, é importante que se hidrate normalmente durante a corrida, mesmo em baixa temperatura”.

Quanto à alimentação, o treinador Onécimo Ubiratam Medina Melo, diretor técnico da Bira Treinamento e Consultoria Esportiva comenta sobre como deve ser feita. “Não há necessidade de mudar a alimentação. Pode acontecer, se o lugar for muito frio, de nos dias anteriores surgir uma vontade de consumir comidas mais calóricas como: chocolate, queijos e derivados do leite”.

“Um cardápio mais calórico pode ser adicionado, porém aconselhável não alterar muito seu cardápio habitual para não dar problemas estomacais”, completa Eduardo Tavares.

Preparação

Muitos corredores no Brasil fazem seus treinamentos, ou até mesmo participam de provas que contam com temperaturas altas. Assim sendo, outra dúvida que pode surgir é, como adaptar meu corpo para uma corrida a temperaturas baixas?

O atleta pode começar por mudar seu horário de treinamento, deslocando-o para um horário cuja temperatura esteja mais amena, ou, se possível, se deslocar para outra cidade em que o tempo esteja mais frio. O treinador Douglas de Melo, diretor técnico da assessoria esportiva Top Notch explica a importância da adaptação do atleta.

“Se houver a possibilidade de realizar alguns treinos em ambientes que retratam a realidade da prova, mais adaptado e preparado o atleta estará, diminuindo a sensação subjetiva de frio e aumentando o metabolismo basal. Toda preparação mais próxima da realidade e especificidade das situações climáticas trará melhor desempenho”.

Com o treinamento em temperaturas mais parecidas com a do dia da prova, o atleta se adapta também psicologicamente, como fala Melo. “Para um atleta que irá enfrentar pela primeira vez uma corrida no frio pode ser um pouco desconfortável, pois a respiração, vento, ar ambiente, tudo é diferente, e isso pode fazer com que ele se sinta mais cansado durante a corrida. O melhor a fazer é se concentrar e focar o objetivo traçado durante os treinos”.

Na corrida

Nas provas realizadas em temperaturas por volta de 5ºC, o corredor pode mudar alguns aspectos na sua estratégia, como explica Monteiro. “Mesmo tendo feito o aquecimento de forma adequada, é mais vantajoso para o atleta que vai correr no frio começar a prova em um ritmo um pouco abaixo do ideal de prova que ele está acostumado, e ir crescendo progressivamente”, diz o treinador, que completa.

“Quando saímos para treinar, aquecemos antes. Mas, mesmo assim, o ritmo ideal do corredor só vai se estabelecer lá pelos quilômetros 3 ou 4. Isso porque ele atingiu o aquecimento ideal. Ninguém sai em disparada em treinamento. Conforme aquece, o ritmo do atleta aumenta”.

“Quando vou disputar uma corrida com temperaturas baixas, o momento que sinto mais dificuldade é na largada, pois fica difícil se aquecer. Depois, quando a prova começa e o aquecimento já está ideal, não sinto tanta diferença”, conta Jacoto.

O2

Saiba como participar e terminar com segurança uma 10K. É só tomar alguns cuidados, principalmente para quem vai participar pela primeira vez.

Um dia antes

  • Descanse o máximo possível.
  • Alimente-se conforme os hábitos pessoais. Procure evitar alimentos gordurosos (carne bovina, suína, ovos, frituras) e bebidas alcoólicas. Prefira alimentos leves e de fácil digestão. Dê preferência para alimentos ricos em carboidratos (massas em geral, arroz, batata), saladas cruas sem muito tempero, frutas (banana-prata, pêra, maçã, mamão, pêssego, nectarina).
  • Beba muito líquido, em especial água natural. Verifique a cor da urina para saber se está bem hidratado. O ideal é que ela esteja bem clara.
  • Procure deitar cedo e preparar sua mente, visualizando-se completando o percurso em bom estado físico e feliz por ter vencido o desafio.

Material a ser utilizado

  • Opte por tecidos que não retenham o suor, para manter o corpo sempre seco (como Termo-air, CoolMax, Supplex e Dry-fit).
  • Nada de estrear tênis no dia da prova. O melhor é correr com um que já esteja em uso, para evitar problemas.
  • Use um relógio com cronômetro para controlar seu ritmo logo de início (conforme seu atual nível de condicionamento e orientação técnica).

No dia D

  • Deixe pronta a roupa que vai utilizar
  • Chegue cedo e verifique o seu kit (chip, camiseta e número)
  • É recomendável levar um agasalho, camiseta seca, toalha, água e frutas para após a corrida.
  • A largada é às 08h00, portanto, faça um desjejum até no máximo 6h30 com suco natural, iogurte ou leite desnatado com cereais (aveia, germe de trigo), pão integral ou francês com geleia ou mel, banana-prata ou uma maçã. Após a prova, coma uma fruta ou bolachas, que são distribuídas pela organização da prova no final. Almoce normalmente evitando o excesso de alimentos gordurosos.
  • Continue bebendo bastante líquido.

Horário para chegar no local da largada

  • Esteja no local da largada no mínimo uma hora antes, às 7h00.
  • Inicie os alongamentos 45 minutos antes da largada e depois faça uma corrida de aquecimento de 15 a 20 minutos e logo a seguir algumas retas de 50 metros de amplitude de passadas até 90% de sua capacidade
  • Posicione-se no local da largada aproximadamente 5 minutos antes.

Como você deve correr os 10 km

  • Ao soar o sinal de largada, inicie a corrida controlando seu ritmo, respeitando seus limites. Deixe os mais apressados o ultrapassarem. O seu objetivo é terminar bem o percurso.
  • Beba água em todos postos de abastecimento, mesmo que não sinta sede. Se sobrar água, jogue água na cabeça.
  • Para enfrentar as subidas do percurso, movimente os braços com mais energia para cima, paralelo ao corpo, para equilibrar o esforço.
  • Quando se aproximar da linha de chegada, levante os braços e olhe para frente. Assim que chegar comemore sua vitória por ter completado e vencido o desafio.

Ao cruzar a linha de chegada

  • Caminhe calmamente até o final do funil dirigindo-se a um local de menor concentração de pessoas para se refrescar e se recuperar.
  • Faça alongamentos e hidrate-se muito bem.
  • Não se esqueça de vestir roupas secas para evitar problemas de saúde, pois o organismo está sensível e debilitado.

Fila Night Run

No próximo sábado, dia 07, acontece a etapa de São Paulo da Fila Night Run, com percursos de 5k ou 10k.

Fila Night Run

O percurso, conforme ilustra a imagem, envolve as Avenidas Olavo Fontora, Santos Dumont e a Praça Campos de Bagatelle, tendo como ponto de partida e chegada na Av. Santos Dumont, em frente ao Campo de Marte, com a estrutura do evento na Praça Heróis da Força Expedicionária Brasileira – FEB.

Retirada do Kit

A retirada do kit deve ser feita no Shopping Bourbon - Rua Turiassú, 2100 nas seguintes datas:

Quinta–Feira das 10h00 às 20h00

**Sexta-Feira **das 10h00 às 20h00

Sábado das 10h00 às 15h00

Para a retirada do kit, deve ser adotado os procedimentos:

1º passo:

Retire seu Nº de peito no piso Turiassú em frente ao Supermercado Záffari.

2º Passo:

Retirada de Kit Loja Centauro piso Pompéia

Opções de chegada são Metrô (Carandiru) ou carro, com opções de estacionamento para o evento validos a partir das 16 horas:

Ponto Certo Estacionamento – Rua Alferes Magalhães, 50

Valor: R$ 15,00

CN Park – Rua Alfredo Guedes, 50

Valor: R$ 20,00

Estacionamento UniPare – Rua Voluntários da Pátria, 344

Valor: R$ 8,00

Retirada do Chip

O chip deve ser retirado no prórpio sabado, dia da corrida, entre 18h30 e 19h30. Lembrando que o horário de largada está marcado para as (20h00).

Atualização: O horário da largada para as 5K será as 19h30, e as 20h30 para os 10K.

Atualização 2:

Horário de retirada de chip:

Os chips serão retirados junto com os kits. NÃO HAVERÁ RETIRADA DE CHIP NO DIA DA PROVA.

Neste sábado no Anhembi foi realizada a segunda edição da São Paulo Indy 300, com a primeira corrida de rua noturna organizado pelo evento (São Paulo Indy Run 8K) na cidade de São Paulo.

Indy Run

A corrida contou com a participação limitada a 3 mil corredores, que tiveram direito a um kit contendo camiseta, ingresso para o treino de sábado e medalha finisher.

O percurso de 8km foi montado com base em duas voltas no circuito onde os carros beiram os 300km/h.

A retirada do kit aconteceu na última quinta e sexta-feira na loja Centauro do Shopping Eldorado. Estive por lá por volta das 19 horas da sexta, não tinha muita gente retirando o kit, foi bem rápido alias. Só achei o local da retirada meio “incompatível” com a localização da corrida, por ser na Zona Sul de São Paulo enquanto a corrida aconteceria no circuito montado na Zona Norte. Não seria mais fácil ser na Centauro, se for o caso, do Shopping Center Norte? Quem sabe nos próximos anos tenhamos novidades quanto a isso.

Com o kit em mãos, tudo separado, sono em dia, parti para o autódromo por volta das 14 horas do sábado, para a acompanhar o treino classificatório da Indy e uma etapa da Fórmula GT. Nesta hora que começa o desgaste.

Indy Run

Encontrei meu amigo, o Leonardo, que também correu a 8K e partimos para o Anhembi. Próximo ao local, optei por deixar o carro no Shopping Lar Center, já que não quis arriscar saber como estaria a marginal lá na frente, além de o estacionamento de lá ser uma indicação dos organizadores do evento. Ainda estava bem viva na memória o “terror” que foi na sexta-feira de manha principalmente, um inferno. Carro estacionado, uma caminhada de cerca de 1km e chegamos no Metrô Tietê, de onde partiriam os ônibus para os portões do Anhembi.

No caminho para o Anhembi, alias trajeto rápido, cerca de 5 minutos ou menos, notei várias pessoas com a camiseta da corrida, inclusive no ônibus.

Chegando no autódromo, vi que o lugar do meu ingresso era diferente do meu amigo, por sorte tinha uma pessoa na porta do setor que iríamos entrar (b) na mesma situação, e conseguimos trocar com eles.

Assim que entramos, tirei algumas fotos da infra-estrutura montada para a corrida e fomos para a arquibancada fotografar e acompanhar os treinos da Indy, claro, que a cada hora indo para um local diferente para fazer fotos diferentes. Até que renderam boas fotos da reta do sambódromo e principalmente da reta oposta, onde pude fazer fotos sem grades sobrepondo os carros em sua maioria.

Indy Run

Depois de 3 horas em pé, pernas já doendo e batendo as 17hrs, fui fazer a ultima refeição na praça de alimentação montada para o evento. No local havia um pessoal da Band gravando algumas pessoas se esbaldando na comida 2 horas antes de correr. Ainda bem que não vieram em cima.

Janta feita, de volta para a arquibancada fazer mais alguns cliques e acompanhar o fim da formula GT, momento que finalmente consigo sentar, mas por pouco tempo. Afinal, com o fim da corrida e com menos pessoas no local, as fotos saem melhores. Depois de mais alguns cliques e chegando as 18 horas, fomos para o ponto de encontro marcado pela organização (setor C), deixar as coisas no guarda volume e começar o alongamento.

Alongamos por cerca de 10 a 15 minutos e partimos em direção da pista, que já estava liberada para o publico que faria a corrida.

Indy Run

Já na pista, continuamos o aquecimento, uma volta de 1km e esta tudo certo. Nos posicionamos bem na frente próximo ao pelotão de elite e é só aguardar a largada.

Falaram que a largada seria diferente, em movimento, mas não vi nada fora do comum, a não ser um buraco de 50 metros entre a elite separando os demais.

Dada a largada e começa a corrida, com o circuito plano, sem nada de subidas, consegui manter um ritmo forte, apesar das pernas estarem “baleadas” de ficar o dia todo de pé, e mantive um passe abaixo de 6min/km durante todo o percurso. A temperatura da noite estava agradável o que proporcionou uma volta tranqüila.

Nos pontos de hidratação foram servidos garrafinhas d’agua, mas água quente?! Não gostei muito disso, não ajudava a refrescar, porém a quantidade de pontos foi o suficiente para a prova. No geral foi uma ótima corrida, onde finalizei a mesma em torno de 47 minutos.

Depois de retirar o kit de finisher para a surpresa estavam dando para quem correu ingresso para o melhor setor do autódromo para a corrida do domingo. Durante este tempo que estava para retirar o ingresso para a corrida, encontrei um amigo em comum que havia participado da corrida também. Mundo de corredores!

Indy Run

Antes de ir embora ainda tirei algumas “várias” fotos da pista, do pódio, enfim, aproveitar as poucas oportunidades que temos para fazer estas coisas.

O lado ruim só foi voltar para o Lar Center, a pé. Dormir a noite foi complicado, mas faz parte.

Comentando brevemente a “corrida” de domingo, corrida entre aspas mesmo: Depois de passar umas horas pela manhã separando as poucas fotos decentes dos carros (que não tirei só do bico, ou só da asa do carro, ou só do asfalto), encontrei meu amigo e chegamos no Metrô Tietê por volta das 11 horas da manhã (desta vez estacionei no próprio estacionamento do lado do Metrô). Pegamos o ônibus e nos dirigimos até o local como no dia anterior.

Indy Run

Chegando la, direto para o portão 29, Setor K. Sentamos no nosso lugar e vimos o finalizinho da GT2, até a convidada ingrata chegar: A chuva. Enfim; até a chuva atrapalhar foi legal. A vista do lugar é ótima! Quem sabe nos próximos anos tenho mais sorte quanto a isto.

Mesmo com tanta chuva consegui registrar alguma coisa, depois subo tudo no Picasa.

A, claro, desta vez para o Tietê de ônibus =)

Resultado:

Indy Run

  • Número de Peito: 0402
  • Tempo Final: 00:46:23.233
  • Categoria: M
  • Modalidade: 8K
  • Tempo Bruto: 00:46:45.432
  • Classificação Total: 499
  • Classificação por Categoria: 499
  • Classificação por Sexo: 499
  • Pace Médio: 05:48 min/km
  • Velocidade Média Total: 10,35 km/h

Agora pronto pra próxima, e é mais uma noturna: Fila Night Run, agora 10k.

Até la!