​N​este sábado​ acontece a primeira etapa da corrida de revezamento Bertioga - Maresias, edição de 2013.

Fechamos o grupo em oito pessoas, que farão os respectivos trechos na ordem: Priscila​, Silvia​, Beto​, ​Carol​, ​Wesley​, ​Diego​, Gilson, Henrique​. O Igor e a Ana darão apoio dirigindo os carros.

Bertioga Maresias

Depois de reuniões no “pé no parque”, decidimos fazer as trocas de pessoas do revezamento em carros “pares e impares”, em vez de um único carro (Van), para facilitar o revezamento e não deixar ninguém esperando o carro “preso no transito” chegar. O carro 01 será responsável por todos os pontos pares do trajeto, até completar a prova, assim como o carro 02, que ficará responsável pelos pares. Fechamos também um quarto em um hostel de Maresias para acomodar todos os participantes pós prova.

Levantamos uma estimativa de completar a prova por volta das 15:30, sem pretensões de resultado e classificação.

Chegou uma frente fria em São Paulo trazendo bastante frio e umidade, estimo fazer meu trecho em torno de 52 minutos, pela altimetria e corrida na areia.

O kit já foi entregue em São Paulo, o Henrique fez a retirada para a equipe, o meu irei retirar no dia da corrida. Não iremos correr com a camiseta da prova, mas com uma regata própria da equipe.

Malas prontas, tudo preparado, só partir para a nossa base em Bertioga, para uma noite de (ansiedade) sono que sábado é dia de asfalto.

Neste domingo ocorreu a 3ª corrida e caminhada autismo e realidade, com trajetos de 4k para os caminhantes e 8k para os corredores. Foi uma corrida gratuita (com opção para doação), promovida desta vez pela Yescom.

A retirada do kit aconteceu na loja Velocitá em Moema, na sexta e sábado antecedentes ao evento. Fiz a retirada no sábado por volta do meio dia. Pouca gente no local, foi bem rápido. O kit veio o básico: com camiseta, número de peito e chip de cronometragem descartável.

O restante do dia foi de descanso, filme e dormir cedo, já que o início da prova seria as 7h30, portanto 5h20 de pé.

Domingo iniciou com céu aberto, temperatura na casa dos 17 graus. Sai de casa por volta das 5h40min, cidade livre, 6h30 já estava estacionado na região, em frente ao prédio da Rede Globo na Berrini.

Na arena do evento encontrei alguns amigos e amigas. Pertences deixados nos guarda-volumes, alongamento feito e rumo a mais uma prova.

As 7h30 começa mais uma prova. Mantendo um pace na casa dos 4:50min/km nos primeiros 2K e na casa dos 5 a 5:15min/km no restante da prova fez com que atingisse minha melhor marca nos 8k.

O percurso saiu basicamente da entrada da ponte estaiada (cerca de 600m de subida), margeou a marginal pinheiros por cerca de 6k e voltou para a ponte estaiada terminando a corrida de onde partiu. Os unicos pontos de subida (poucos, porém subida forte) foram os acessos a ponte.

Pontos de hidratação suficientes (2 no percurso e 1 no final), com água gelada, sem o que reclamar.

O único ponto digamos baixo foi a medalha que poderia ter sido melhor trabalhada.

Meu chip acabou amassando na sacola, resultado: sem tempo oficial, como ja aconteceu na Maratona de SP em 2011.

Resultado:

Autismo

  • Número de Peito: 3063
  • Tempo Final:  00:41:49
  • Categoria:  M2529
  • Modalidade:  8k
  • Tempo Bruto:  00:42:00
  • Classificação Total: N/D
  • Classificação por Faixa Etária:  N/D
  • Pace Médio:  05:06 min/km
  • Velocidade Média Total: 11,08 km/h
  • Informações Gerais: Garmin

Neste domingo foi realizada na região da USP a XIV Meia Maratona Internacional Netshoes / Corpore de São Paulo, com opções de percurso divididos em 5k ou os 21k.

O kit, que veio composto pela camiseta de boa qualidade, chip não descartável, número de peito, além de um material da Corpore, foi enviado para casa de quem fez a inscrição antecipadamente. Como deixei para fazer na última semana, não tive tal mordomia. Acabei buscando o mesmo no comando militar ao lado do ginásio do ibirapuera no sábado, por volta das 14 horas. Não havia muita gente no local, foi bem rápido. A garoa que persistia no horário não atrapalhou.

O restante do sábado foi de descanso e foco na prova de domingo. Prova que tinha em mente pegar leve em todo o percurso, já que não queria ter de abandonar a prova devido a dores.

Chega domingo, levanto as 6h de uma manhã fria de outono. Me arrumo, tomo café e rumo a região da USP.

A garoa deu as caras logo que acessei a marginal pinheiros, próximo ao local da largada. Bom, pelo menos não teria um problema: o calor. Pelo “Climatempo” a máxima de domingo seria em torno de 20 graus, durante a prova fez algo em torno de 16 a 18.

Como as ruas próximas já estavam bloqueadas, passei a entrada da Cidade Universitária e parei nas ruas próximas a ela. Pelo menos não precisei madrugar para chegar no local antes das 6h (horário de bloqueio das ruas) e ter que ficar sem o que fazer até as 7h45 (horário da largada). Fica até a dica de lembrete isso para as próximas provas na USP para não “madrugar a toa”. Rua Alvares Florence, por exemplo, logo depois de “perder” a saída da cidade universitária é uma excelente opção a 1km do portão 01, e não pega o fluxo de pessoas saindo da USP depois que encerra a corrida, causando trânsito, já que a rua esta em uma “boca” de acesso para a Marginal Pinheiros.

Saindo de casa as 6h30, cheguei na USP por volta das 7h10. Tempo para acompanhar a largada das categorias de atletas especiais e elite, enquanto me alongava.

Como nos anos anteriores, foram dadas largadas por ondas, e diferente do ano passado, o pessoal dos 5k partiu do mesmo local do que os de 21k. Ano passado, por exemplo, era em outro pórtico, na rua da raia, enquanto os 21k era próximo ao portão 01. Este ano unificaram e ambas largadas aconteceram no pórtico próximo ao portão 01.

Minha onda de largada foi para um pace de 6min/km já que não quis forçar. A primeira onda com o pessoal da “elite”, saiu as 7h30, a segunda as 7h35 e a terceira por volta das 7h40.

Tudo preparado, chega 7h40 e se inicia mais uma prova. Pegando leve pelo menos até ganhar mais confiança, mantive um ritmo constante de 6min/km até a Rua Alvarenga que dava acesso a ponte da cidade universitária, na ponte alias foi onde o pico máximo da garoa atingiu. Na Pedroso de Morais até voltar para a USP fiz um trecho de recuperação mandando um pace mais baixo, entre 4:30 e 5:30min/km. Já na USP senti a falta de rodagem, foi mais administrar até o fim.

Resultado ótimo, dentro das expectativas. Tempo de relógio finalizado em 2h08min. Como tive que dar uma parada que me levou alguns minutos no meio do percurso, o oficial deve vir em torno de 2h12. Cansaço somente muscular e de falta de rodagens mas longas, já que estava me poupando estes dias.

42195 metros, logo mas estou aí ;)

Resultado:

Meia Corpore

  • Número de Peito: 4119
  • Tempo Final (relógio):  02:08:32 - 6:04min/km
  • Tempo Final (oficial):  02:13:57
  • Categoria:  M2529
  • Modalidade:  21k
  • Tempo Bruto:  02:28:20
  • Classificação Total: 2957
  • Classificação por Faixa Etária:  143
  • Pace Médio:  06:20 min/km
  • Velocidade Média Total: 9,46 km/h
  • Informações Gerais: Motoactv

Venho sentindo o resultado daquele incomodo no joelho durante a meia maratona até agora. É uma dor meio chata do lado direito da patela da perna esquerda.

Joelho

Passei semana passada no ortopedista que me recomendou fisioterapia + anti inflamatório. Pelo menos não aparenta ser nada digamos, grave que requer longo afastamento.

Aproveitei e perguntei a respeito de condroitina e glucosamina, vendido aqui no Brasil como medicamento e lá fora como suplemento, ele ajuda na restauração de tendões e cartilagens, ainda mais considerando que o tempo de recuperação de uma cartilagem é alto, um suplemento é bem vindo. Pelo menos não há nada que impeça ser aquele “suplemento do dia a dia”, e lendo alguns relatos li que é algo que todo corredor deveria tomar, ainda mais os de longas distancias pelos desgastes que as articulações sofrem durante o exercício. Já encomendei o meu na bodybuilding e deve estar chegando nas próximas semanas.

A prova de Barueri foi bem dolorida, percurso  pesado, o que fez com que a dor piorasse e meu bom senso me impediu de fazer rodagens esta semana, somente musculação por não ter tanto impacto em tempo prolongado como corrida, além de pedalar bem de leve na bike de spinning, já que não incomoda.

Por enquanto sigo afastado das ruas pelo menos até a segunda semana de abril. Até lá sigo fazendo tratamento a base de gelo, alongamento e reforço muscular. Pelo menos não estou mancando mais como no começo da semana e quase não aparece mais a dor.

Já descartei a meia maratona da Corpore, prova boa mas melhor por enquanto ficar mais na minha, até dava se a corrida fosse no final do mês, mas primeira quinzena é muito próxima. Talvez faça alguma de 10k, vai de acordo com a recuperação.

Dia 16 de junho começo a seguir planilha de treino focado na maratona de são paulo, em outubro. Os 42.195 metros deste ano não passa! Foco total e bons treinos para nós.

Neste domingo, dia 24, foi realizada a 4ª corrida que comemora o aniversario de Barueri na Grande São Paulo. Evento gratuito e com inscrições limitadas, contou com a presença de três mil corredores nas distancias de 5k e 15k.

O domingo amanheceu com tempo nublado e frio, como na meia maratona do último domingo, mas desta vez sem garoa e com pequenas aberturas de sol, mesmo assim, tempo ótimo para correr.

Acordando as 6h me preparando, tomando café e saindo as 6h30, consegui chegar no local as 7h10, 1h antes da largada dos 15k.

A retirada do kit aconteceu somente no domingo, momentos antes da prova. Kit veio contendo camiseta, chip de cronometragem e, para os finishers, sacola, medalha, frutas e isotônico.

Quase que, por motivo de lesão (joelho - condromalácia), acabei desistindo de ir na corrida. Acabei indo, por não conhecer o percurso, ser uma novidade, e prometendo para mim mesmo pegar leve para não piorar a situação.

Depois de feito o alongamento, me posicionei no pórtico e as 8h se deu inicio a mais uma prova. Mantendo um ritmo mais leve que o normal, na casa dos 6min/km para mais e até andando nas subidas do percurso, fez com que terminasse a prova em 1h35min, diminuiria isso cerca de 10 - 15 minutos em situações normais.

Pontos de hidratação suficiente, com água gelada, sendo um a cada 2,5km, sem o que reclamar.

Agora é fortalecer a região, suplementar e quando tiver 100% voltar para a rua.

A meia maratona da Corpore em Abril continua nos planos, apesar de ser maior a chance de não poder correr por causa do joelho, tem pouco menos de um mês até lá, dependendo até da para participar, mas sem pressa.

Resultado:

Barueri

  • Número de Peito: 632
  • Tempo Final:  01:35:07
  • Categoria:  M2039
  • Modalidade:  15k
  • Tempo Bruto:  01:36:09
  • Classificação Total: 743
  • Classificação por Faixa Etária:  275
  • Pace Médio:  06:20 min/km
  • Velocidade Média Total: 9,46 km/h
  • Informações Gerais: Motoactv