Motive-se – Você também pode!

Tempo de leitura: 6 minutos

Nunca escrevi a respeito, então vou falar um pouco da minha pequena trajetória na corrida, que sim: muda o estilo de vida, a vontade, o emocional de qualquer pessoa que pratica, não é papo, balela, mas constatação.

Muitos perguntam: como tudo isso começou?  Bom, no final de 2008, com o resultado de cerca de quatro anos parado abraçando o puro sedentarismo, fazendo faculdade, trabalhando, comendo mal, alem de usar isso como desculpa para não fazer mais nada, me via como: quase trinta kg acima do meu peso, alta estima zero, preguiça de fazer qualquer atividade, indisposição, enfim, não poderia continuar assim. Se quisesse alguma mudança na vida, teria que fazer algo.

Qual a primeira coisa que fazemos nessa situação? Criar coragem e entrar uma academia, pior desta parte sempre é a coragem. Perto de casa há uma: a Trayner. Já havia treinado nesta academia há um tempo, alguns anos antes de entrar na faculdade, mas devido a contratempos relacionados a trabalho e distância tive que abandonar.

Já havia se passado três meses do termino da faculdade – março de 2009 – e eu ainda estava na mesma. Ficar jogando no computador era mais interessante que cuidar da saúde. Tenho um amigo que treina também nesta academia, o André Queiroz; sempre comentava com ele que precisava fazer alguma atividade física, durante este período de três meses ele sempre falava que iria passar em casa para me levar lá, e eu sempre enrolando, até o dia que finalmente resolvi ir, me matriculei com o professor Sidnei e comecei a fazer um de musculação, com o objetivo de perder peso, mais nada.

Passado cerca de seis a oito meses de academia me via mais gordo ainda do que entrei, resultado de troca de massa gorda por magra e falta de controle de alimentação. Se quisesse o resultado desejado, portanto, teria que mudar isto também. Não digo que abandonei, mas reduzi bem o consumo de besteiras e passei a investir no aeróbio: esteira, muita esteira. Esta decisão foi tomada em setembro de 2009.

Correr na esteira, de inicio era daquele jeito: corre dois minutos e pensa que vai ter um enfarte. Mas sempre naquela, indo progredindo aos poucos, sempre estabelecendo metas de, por exemplo, completar três quilômetros em trinta minutos, depois não sair da esteira enquanto chegar aos quatro quilômetros, ou fazer quatro nos trinta minutos, até chegar num ponto onde já tinha deixado cerca de 15kg para trás e estar correndo sem muitas dificuldades dez minutos ininterruptos – com pequenas paradas para se recuperar, que para mim na época foi uma grande vitoria.

Nesta época, correr na rua era uma ideia louca, não me imaginava fazendo algo assim, nem me passava na cabeça esta ideia. Completar uma “São Silvestre”, uma “meia maratona”? Naquele tempo era loucura. Correr era algo que se fazia na esteira e só.

O tempo passa e em setembro de 2010, meu amigo Leonardo Ferreira, me chamou para fazer uma prova que aconteceria em setembro ou outubro. O que respondi? “Acordar 6h da manhã de um domingo para correr? Você ta louco! Quando aparecer uma prova a noite até me chama que participo”.

Em novembro de 2010, aparece a “Fila Night Run” no calendário, e o Leonardo comenta comigo. Como disse anteriormente que iria se acontecesse uma prova nestas condições, resolvi participar.

Na semana da prova, um frio absurdo, até meio incomum para a época. Nunca havia corrido na rua até então. Ha alguns dias da prova, no máximo que aguentava fazer, era cerca de dez minutos na esteira com interrupção de alguns minutos para pegar fôlego e continuar. Na quarta feira, faltando três dias para a prova, resolvemos ir ao bosque maia – um parque próximo de casa em Guarulhos – e dar duas voltas no percurso de 2200 metros. Indo sempre no trote, fizemos o treino em cerca de quarenta minutos ou pouco mais. Diria que neste treino foi essencial para dar uma tranquilizada; já dava para perceber chegar ao objetivo dos cinco quilômetros não era impossível.

Chega então o grande dia da corrida, e o resultado é o que escrevi no Relato – Fila Night Run 2010 – SP.

Assim que termina a primeira prova, você entende o motivo pelo qual vale a pena acordar nem se for às quatro da manhã de um domingo para correr. A sensação do pós-prova é indescritível. A primeira corrida já motivou até a comprar um frequêncímetro, já que cansei bastante ainda mais por estar sem base de tempo e frequência cardíaca, já para a próxima corrida.

Conforme ia completando as corridas de cinco quilômetros, não me via fazendo agora os mais de cinco quilômetros. Para mim, os cinco já estavam de bom tamanho, pois já estava fazendo algo.

O tempo vai passando e o corpo pede mais, cinco fica pouco. O objetivo seguinte era progredir para os 10Km. Como o “Circuito das Estações Adidas” só fornecia esta distancia, e eu tinha como objetivo fazer o percurso e completar a mandala de medalhas (não consegui completar por causa do Rock in Rio), comecei a treinar toda sexta feira no Ibirapuera, já que é “do lado” do trabalho, dando pelo menos três voltas no percurso de três quilômetros.

Em março de 2011, conquisto mais um objetivo: fechar sem dificuldades uma corrida de 10Km, ainda mais em uma época do ano que o calor não estava já pegando tanto (final do verão).

As provas de dez quilômetros viram “comuns” para mim e já que não conseguiria viajar no fim do ano como de costume, resolvi então participar da São Silvestre, um aumento de mais cinco quilômetros no volume final de corridas e treinos. Sempre correndo no Ibirapuera, aumentando só a quantidade de voltas – de três para cinco voltas no percurso de três quilômetros, fazendo treinos de volume e os longos, me deixou apto para a distância, onde consegui completar sem problemas.

O ano de 2011 terminou objetivando completar uma meia maratona no ano de 2012. Objetivo mais que cumprido (considerando as quatro provas de 21k deste ano), alias, até em uma distancia maior que a meia maratona, considerando os 25km da maratona de São Paulo.

Este período só me trouxe coisas positivas: mais saúde, alta-estima, disposição, menos gordura corporal, novas amizades, até conheci gente que começou a correr lendo o blog, como o Ademir. Um blog que só começou como um objetivo de consulta pessoal e comparação de provas, algo como se fosse um arquivo. Um histórico de tempo e relatos, também trazendo algo a mais que isso.

Fazer mais para frente uma maratona? Já está nós planos dos próximos anos. Para isto já seria interessante uma assessoria para treinar sem exageros, com mais gente junto, considerando ainda mais os treinos longos (mais de trinta quilômetros). Um Iron Man? Quem sabe daqui dez anos?! Afinal um dia para mim, correr foi impossível. Se para você é, se anime, entre em uma assessoria e mude sua vida para melhor, você também pode, só depende de você para começar a mudar!

E deixo um agradecimento especial para o pessoal que citei aqui: André, por me levar de volta para a academia, para o Sidnei, pelos treinos, para o Leonardo por me viciar na corrida de rua e para o Ademir, Alberto, Gisele, Katia, e demais amigos e amigas que fiz, desde que comecei a “querer virar queniano”.

Sobre

Guarulhense, desenvolvedor de softwares e soluções web, apaixonado por corridas, fotografia, viagens e muito rock.

//www.diegoronan.com.br